O que a torre significa no anime Boy and The Heron?

Resumo

  • O anime O Menino e a Garça explora os temas da dor, família e responsabilidades através da fantástica jornada de um menino em um mundo paralelo.
  • A abordagem metaficcional de Miyazaki para a construção do mundo se reflete na densa cosmologia do filme.
  • O filme destaca os perigos de criar fantasia sem compreender suas consequências e a importância de buscar o equilíbrio na arte e na vida real.


AVISO: O seguinte contém spoilers importantes de O Menino e a Garça, nos cinemas em dezembro de 2023.

No centro de O Menino e a Garça, o 12º longa-metragem do grande mestre do anime Hayao Miyazaki, é uma imagem impressionante de blocos oscilantes semelhantes a Jenga que incorporam e desafiam a carreira de construção de mundo de Miyazaki. O filme segue Mahito Maki, um menino que se adapta a uma nova casa e uma nova madrasta durante a Segunda Guerra Mundial. Enquanto explora este território curioso mas ameaçador, ele é assediado por uma garça cinzenta incomum. O comportamento bizarro da garça leva Mahito a um mundo paralelo, onde ele deve reavaliar sua relação com o luto, a família e as responsabilidades mundanas.

Mahito descobre uma torre em ruínas construída pelo brilhante tio-avô da madrasta Natsuko. Quando Natsuko desaparece, Mahito suspeita do envolvimento da garça. Ele retorna para a torre, onde é transportado para um misterioso universo de bolso, também criação do tio-avô de Natsuko. O velho mantém seu mundo paralelo equilibrado reorganizando periodicamente uma torre de blocos de pedra mágicos, um ritual precário que lembra a construção meticulosa de mundos de fantasia de Miyazaki. Natsuko é na verdade tia de Mahito, fazendo deste feiticeiro seu tio-bisavô. Ele quer Mahito como seu sucessor, mas Mahito recusa-se a assumir as responsabilidades de um construtor mundial. Sua repreensão é uma crítica ao talento artístico de Miyazaki e sua relação com a beleza e o horror do mundo real.


O rosto enrugado do tio-avô construtor de mundos de O Menino e a Garça.

O outro mundo em O Menino e a Garça é apenas um dos muitos que existem na cosmologia do filme. Mahito atravessa um corredor aparentemente interminável com portas numeradas, que lembram as portas das várias cidades turísticas de O pesadelo antes do Natal. Algumas portas se abrem para diferentes épocas do mundo de Mahito, mas o resto permanece fechado para Mahito e deixado à imaginação dos espectadores. Esta rica imagem evoca um passeio pela obra de um artista, onde camadas de verdade e ficção se cruzam com o passado, o presente e o futuro. A filmografia de Miyazaki contém uma vasta gama de mundos mágicos, tanto dentro como paralelos ao mundo “real”. Em Afastado de espíritoChihiro, no estilo Alice, passa para um País das Maravilhas espelhado, enquanto filmes como Princesa Mononoke e Ponyo mergulhar em elementos espirituais e fantásticos relevantes para a ecologia da Terra. Talvez estas sejam apenas outras portas ao longo da carreira de Miyazaki, mas seu mundo mais recente tem uma tendência metaficcional.

Relacionado

O segredo dos filmes do Studio Ghibli

O que há nos filmes do Studio Ghibli que fazem o público ansiar por mundos tão distantes do seu, mas se sentir tão perto de casa?

O mundo criado pelo tio-avô de Mahito está inacabado e as criaturas do mundo real funcionam como espécies invasoras ali. Como existem poucos peixes neste mundo coberto de oceanos, hordas de pelicanos devem atacar criaturas kawaii indefesas chamadas Warawara, que são almas nascentes destinadas a se tornarem humanos no “mundo acima”. Há também periquitos empunhando facas, inchados até o tamanho humano e determinados a comer humanos. Esses animais trazem à mente os seres que povoaram os filmes anteriores de Miyazaki. Os Warawara se assemelham aos espíritos das árvores Kodama de Princesa Mononoke e os sprites de fuligem de Meu Vizinho Totoro e Afastado de espírito. Mas aqui, os Warawara têm uma ligação com O Menino e a Garçaestrutura metaficcional. Eles não são apenas detalhes fofos de fundo ou representações de forças naturais. Eles são a matéria-prima da humanidade e estão sendo devorados pela colisão descuidada de criaturas terrestres com uma paisagem construída. Dessa forma, Miyazaki chama a atenção para os perigos de criar fantasia sem uma consideração cuidadosa. As histórias não existem no vácuo, mas paralelamente à realidade. A interpretação de um artista pode tornar-se profundamente ligada à experiência de mundo do público, criando novas conexões e mudando a forma como as pessoas pensam sobre o seu entorno. Por exemplo, a imagem indelével do Catbus em Meu Vizinho Totoro parece ecoar por todo o mundo real, emaranhado com o charme dos gatos e dos ônibus para espectadores de mente aberta de todas as idades. Mas um artista poderia facilmente criar medo ou preconceito com uma construção de mundo míope.

Acerto de contas com a realidade em O menino e a garça

Mahito toma chá com a Garça, em uma forma humana grotesca, em O Menino e a Garça.

Miyazaki não está necessariamente dizendo que sua arte teve um impacto negativo na vida de seus espectadores, mas está avaliando a relação da ficção com a realidade. Ao colocar esta fantasia agridoce no cenário da Segunda Guerra Mundial, ele demonstra que nenhum deles está verdadeiramente isolado do outro. No “mundo acima” real, o pai de Mahito, Shoichi, é um traficante de armas de sucesso que não tem empatia para estar aberto à experiência emocional de Mahito. Ele conta uma história para si mesmo, onde tudo é um conflito onde o combatente mais poderoso sai por cima. De forma mais altruísta, Mahito é atraído para seu mundo de fantasia não por escapismo, mas por tristeza. Sua falecida mãe ainda pode estar viva e precisar de sua ajuda. Parafraseando Joan Didion, as pessoas contam histórias para viver. Mahito está preso no outro mundo, não por causa de uma fantasia passageira, mas porque está em busca de algo fundamental que perdeu. Mas quando percebe que o mundo imaginário está sujeito ao artifício de seu tio-bisavô, ele escolhe a realidade em vez da fantasia. Ele diz ao tio-avô que valoriza os amigos que fez dentro de sua criação, mas quer voltar para sua vida. Miyazaki destaca o aprofundamento da conexão humana fomentada pela exploração dos mundos criados, mas não pela permanência perdida neles ou pela cedência a traumas ancestrais herdados.

Relacionado

Quer entender o xintoísmo? Assistir a um filme de Miyazaki

O xintoísmo é uma religião antiga que existe no Japão há muito tempo, e Hayao Miyazaki a retrata em seus filmes com comovente cuidado e histórias de cautela.

A ambivalência de Miyazaki sobre sua experiência como criador ressoa por toda parte O Menino e a Garça. Quando Mahito desce pela primeira vez ao outro mundo, ele vê um portão gravado com um aviso como aquele nos portões do Inferno na obra de Dante. Inferno, declarando que aqueles que buscam o conhecimento do criador morrerão. É claro que, neste caso, o “criador” é o tio-bisavô de Mahito, um acumulador de conhecimento que, como Dom Quixote, se perdeu ao ler “muitos livros”. Este é o cerne da metaficção de Miyazaki: não é a arte ou a curiosidade que são prejudiciais, mas a proteção dos mundos que eles criam. Separar o conhecimento do seu contexto, como trazer pelicanos para um mundo sem peixes, será inevitavelmente catastrófico. Uma metáfora forçada pode criar um monstro, como o periquito carnívoro que não sabe muito bem como ser humano. Por outro lado, é importante lembrar que mesmo uma imagem poderosa deve conter humanidade em seu coração, assim como a garça travessa contém literalmente um homenzinho dentro de seu bico. Miyazaki parece dizer que tudo está conectado, a humanidade com a natureza, a realidade com a imaginação. É perder de vista esta unidade que cria sofrimento.

Miyazaki só quer ser um contador de histórias responsável e humano

Entre O menino e a garçaO exuberante cosmos figurativo de Mahito, a instável torre de pedras que o tio-bisavô de Mahito usa para influenciar seu universo é a metáfora mais crucial do filme. Esculpidos em pedra senciente, os blocos geométricos apresentam uma versão complexa das ferramentas de um artista. O tio-avô os fez, sim, mas não do nada. Eles carregam a natureza e o temperamento de seu material de origem, assim como qualquer elemento de uma obra de arte, assim como o Catbus contém gato e ônibus. Quando o tio-avô convida Mahito para continuar seu trabalho como senhor do universo abaixo, ele diz a Mahito que deve reconstruir a torre de blocos a cada poucos dias, para manter o equilíbrio do mundo. Ao transmitir esse conhecimento, o beligerante rei dos periquitos humanóides se intromete e tenta tomar o poder, construindo uma estrutura indisciplinada a partir dos blocos que rapidamente desmorona. Isso transforma o mundo imaginário do filme no caos; assim como o conhecimento de controle é prejudicial, também o é manipular cegamente as histórias sem compreender as consequências.

Relacionado

O verdadeiro folclore e mitologia japonesa por trás da história de Spirited Away

Spirited Away é inspirado nas crenças populares e na mitologia japonesa. Todas estas referências ressoam com as vozes do passado e do presente do Japão.

O cofundador do Studio Ghibli, Hayao Miyazaki, de 82 anos, não está de forma alguma denunciando a importância da arte com O Menino e a Garça, seu retorno de sua aposentadoria anunciada anteriormente. Na verdade, ele se recusa a descansar sobre os louros, já que um executivo do Studio Ghibli anunciou que Miyazaki já está trabalhando em seu próximo filme. Mas a sua crítica aos perigos da construção do mundo é dirigida a si mesmo, tanto quanto é um conto de advertência para os telespectadores. Não se baseia em um simples simbolismo individual; há vestígios do artista Miyazaki tanto no compassivo Mahito quanto em seu tio-bisavô toxicamente criativo. Tudo se resume à imagem aparentemente simples da torre de blocos de pedra. O que importa, Miyazaki parece dizer, é buscar equilíbrio na arte e também saber quando se afastar para focar no equilíbrio na vida real.

Mahito Maki em O Menino e a Garça (2023)

O Menino e a Garça

Um menino chamado Mahito, ansiando por sua mãe, se aventura em um mundo compartilhado pelos vivos e pelos mortos. Lá, a morte chega ao fim e a vida encontra um novo começo. Uma fantasia semiautobiográfica da mente de Hayao Miyazaki.